Confira nossas dúvidas e Informações


1- Verifique sempre o tamanho desejado e o espaço disponível

Antes de fazer o pedido de seu material, verifique o tamanho disponível no seu ambiente ou onde irá colocar a peça, para que a mesma seja de um tamanho proporcional e fique visivel.

2- Se eu enviar um desenho específico, vocês reproduzem?

Sim. Produzimos qualquer tipo de desenho. Somente não reproduzimos desenhos como marcas, personagens de desenhos, etc. Que contenham direitos autorais.

3- Estou montando o quarto do meu filho e gostaria de uma parede sobre futebol. Vocês fazem um projeto personalizado?

Sim, fazemos projetos personalizados. Entre em contato conosco e analisaremos a sua ideia para definir um orçamento.

4- Vocês fazem frases?

Sim, todo tipo de artes personalizadas, inclusive frases e poemas.

5- Posso aplicar adesivos na parede do banheiro ou no Box. Ele aguenta a umidade?

Sim, o adesivo pode ser aplicado em banheiros e ambientes úmidos. Lembre-se de que quanto mais úmido o ambiente for, menor será a durabilidade de adesivo.

6- Quando eu retirar o adesivo ele vai danificar a parede?

Normalmente o adesivo pode ser retirado com facilidade e sem danificar a parede. No caso de sobrar algum resíduo de cola, passe um pano molhado para limpar. No entanto, não nos comprometemos com eventuais danos, pois isto depende da qualidade da superfície e da tinta onde o adesivo foi aplicado. Realizamos com êxito diversos testes de aderência e remoção do adesivo decorativo em diferentes superfícies. Porém, devido a variação do estado de conservação das pinturas existentes, não nos responsabilizamos por danos causados à superfície durante a remoção.


7- Após a aplicação o adesivo pode ser reaplicado em outro lugar?

Não. Depois de removido, o adesivo fica inutilizado.


8- Posso fazer qualquer combinação de cor?

Sim, qualquer combinação de cor é possível. Na descrição do item você encontra as cores disponíveis para cada modelo.


9- Vocês entregam fora do Brasil?

Sim. Para maiores informações, entre em contato conosco através do email contato@novvamidia.com.br.


10- Tenho uma loja e gostaria de vender os adesivos, banner, placas e / ou todos os serviços da Novva Midia.

Aceitamos revenda em todo o território nacional. Para maiores informações entre em contato e fale com nosso departamento administrativo.


11- Tenho um escritório de decoração, a Novva Midia cria projetos personalizados?

Sim, fazemos projetos personalizados sem custo adicional.


Aqui, você vai encontrar todas as informações de que precisa para que a sua colagem fique perfeita!

Se preferir, entre em nosso canal no YouTube e veja o passo-a-passo: www.youtube.com/novvamidia



Entenda o seu Adesivo
Entenda seu adesivo:

1- Plástico Transparente (máscara)
2- Papel Protetor (branco, protege a cola do vinil - Liner)
3- Adesivo (vinil impresso ou recortado no formato de desenho)

Material Necessário
VOCÊ VAI PRECISAR DE:

1- Espátula, cartão de crédito ou régua
2- Fita crepe
3- Alguns minutinhos de concentração

Preparação da Superficie Preparação da Superficie
PASSO 1 - PREPARANDO A SUPERFÍCIE

Para que o adesivo cole corretamente, você precisa de uma superfície lisa, seca e limpa. Para garantir a limpeza, pegue um pano seco e passe pela superfície para eliminar qualquer vestígio de sujeira ou pó ou pelinhos de pano. Você Pode colar em paredes sem textura, vidros, azulejos, espelhos, móveis, qualquer objeto com superfície lisa.

Atenção: Para paredes recém-pintadas, aguarde duas semanas até a tinta secar. Nós sabemos que é preciso paciência, mas é melhor que aplicar o adesivo em uma parede

Preparação
PASSO 2 - PREPARAÇÃO

Apoie o adesivo em uma superfície lisa com o lado gráfico para baixo. Firmemente, esfregue com a mão, cartão de crédito, espátula, régua, etc. O objetivo é passar o adesivo para a área do plástico transparente.

Simulação
PASSO 3 - SIMULAÇÃO

Escolha o local onde deseja aplicar o adesivo. Cole o adesivo com fita crepe no local desejado. Dê dois passos para trás e veja se ficou do jeito que você quer. Se você gostar do que vê, então siga o passo 4.

Atenção: Alguns desenhos vem montados em uma única folha, use uma tesoura para recortar as partes e montar livremente como você quiser.

Colagem
PASSO 4 - COLAGEM

Com o adesivo posicionado, descole com cuidado o papel protetor (liner) e vá espatulando simultaneamente o plástico transparente que contém o adesivo contra a parede. O adesivo deve permanecer colado no plástico transparente. Após esta etapa você não poderá mais descolar ou reposicionar seu adesivo, ou este perderá a aderência. Passe a espátula sobre o plástico do centro para as bordas, removendo as rugas ou bolhas que possam surgir. Continue descolando o papel protetor até removê-lo por inteiro.

Cuidado: algumas bolhas pequenas podem surgir depois da aplicação.

Dica: com uma agulha bem fina, fure seu desenho nas áreas em que as bolhas são visíveis, e pressione com os dedos para que o ar saia naturalmente.

Atenção: alguns pedaços do desenho podem não descolar do papel protetor. Se isso acontecer, use a espátula para fixar o adesivo de volta no plástico transparente, contra a parede e, em seguida tente retirá-lo novamente.

Finalização
PASSO 5 - FINALIZAÇÃO

Para garantir a boa fixação, espatule novamente a área da máscara que cobre o adesivo. Em seguida descole cuidadosamente o plástico transparente puxando-o rente ao á superfície e em diagonal, certificando-se que o adesivo aderiu corretamente. Após removido o plástico, seu adesivo estará colado

Hora de Curtir
HORA DE CURTIR

Chegou a hora de você curtir o seu adesivo. Não esqueça de nos enviar fotos, dicas, sugestões e novas aplicações para os adesivos. Queremos compartilhar tudo que é possível fazer com essa ideia fantástica!

Cuidados e Dicas: Mantenha seu adesivo fora da exposição direta ao Sol, evite colar em superfícies sujeiras à umidade e ao calor. Limpe com um pano umedecido em água, não use produtos químicos. Não é recomendado para crianças menores de 3 anos. Crianças menores de 8 anos devem utilizar o produto somente sob a supervisão de um adulto.

* Este manual aplica-se tanto para adesivos recortados com máscara como para adesivos impressos que não possuem máscaras.

Para uma boa conservação a manutenção e limpeza das peças devem seguir algumas dicas básicas, jamais utilize produtos químicos como:


  • Alcool;
  • Thiners;
  • Palha de AÇO;
  • Gasolina;
  • Solventes para Tintas e Abrasivos em geral.

Recomendamos uma limpeza com flanela seca ou pano macio e úmido ou no máximo com detergente neutro diluído em água.

Para retirar os adesivos é fácil, direcione o ar quente de um secador de cabelo sobre eles, puxe-os suavemente rente a parede. Evite usar qualquer outro instrumento para que não danifique sua superfície. Depois de retirados, passe um pano úmido com sabão neutro para que todo e qualquer resíduo de cola (caso haja) seja removido. Nossos adesivos foram testados e removidos com sucesso em diversos tipos de superfícies lisas, mas, em razão de uma grande variedade e estado das mesmas, a Novva Midia não se responsabiliza por dificuldades de remoção ou estragos ocasionados a elas.

Os adesivos decorativos são de aplicação única (ocorre a perda de cola na remoção, impossibilitando a reaplicação).

Para maiores informações, mande um e-mail para contato@novvamidia.com.br, ou através de nossos telefones.

(Clique aqui para baixar a cartilha original em PDF)


LEI Nº 14.223, DE 26 DE SETEMBRO DE 2006

(Projeto de Lei nº 379/06, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo)

Dispõe sobre a ordenação dos elementos que compõem a paisagem urbana do Município de São Paulo.

GILBERTO KASSAB, Prefeito do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, faz saber que a Câmara Municipal, em sessão de 26 de setembro de 2006, decretou e eu promulgo a seguinte lei:


CAPÍTULO I
DOS OBJETIVOS, DIRETRIZES, ESTRATÉGIAS E DEFINIÇÕES

Art. 1º. Esta lei dispõe sobre a ordenação dos elementos que compõem a paisagem urbana, visíveis a partir de logradouro público no território do Município de São Paulo.

Art. 2º. Para fins de aplicação desta lei, considera-se paisagem urbana o espaço aéreo e a superfície externa de qualquer elemento natural ou construído, tais como água, fauna, flora, construções, edifícios, anteparos, superfícies aparentes de equipamentos de infra-estrutura, de segurança e de veículos automotores, anúncios de qualquer natureza, elementos de sinalização urbana, equipamentos de informação e comodidade pública e logradouros públicos, visíveis por qualquer observador situado em áreas de uso comum do povo.

Art. 3º. Constituem objetivos da ordenação da paisagem do Município de São Paulo o atendimento ao interesse público em consonância com os direitos fundamentais da pessoa humana e as necessidades de conforto ambiental, com a melhoria da qualidade de vida urbana, assegurando, dentre outros, os seguintes:


  • I - o bem-estar estético, cultural e ambiental da população;
  • II - a segurança das edificações e da população;
  • III - a valorização do ambiente natural e construído;
  • IV - a segurança, a fluidez e o conforto nos deslocamentos de veículos e pedestres;
  • V - a percepção e a compreensão dos elementos referenciais da paisagem;
  • VI - a preservação da memória cultural;
  • VII - a preservação e a visualização das características peculiares dos logradouros e das fachadas;
  • VIII - a preservação e a visualização dos elementos naturais tomados em seu conjunto e em suas peculiaridades ambientais nativas;
  • IX - o fácil acesso e utilização das funções e serviços de interesse coletivo nas vias e logradouros;
  • X - o fácil e rápido acesso aos serviços de emergência, tais como bombeiros, ambulâncias e polícia;
  • XI - o equilíbrio de interesses dos diversos agentes atuantes na cidade para a promoção da melhoria da paisagem do Município.

Art. 4º. Constituem diretrizes a serem observadas na colocação dos elementos que compõem a paisagem urbana:


  • I - o livre acesso de pessoas e bens à infra-estrutura urbana;
  • II - a priorização da sinalização de interesse público com vistas a não confundir motoristas na condução de veículos e garantir a livre e segura locomoção de pedestres;
  • III - o combate à poluição visual, bem como à degradação ambiental;
  • IV - a proteção, preservação e recuperação do patrimônio cultural, histórico, artístico, paisagístico, de consagração popular, bem como do meio ambiente natural ou construído da cidade;
  • V - a compatibilização das modalidades de anúncios com os locais onde possam ser veiculados, nos termos desta lei;
  • VI - a implantação de sistema de fiscalização efetivo, ágil, moderno, planejado e permanente.

Art. 5º. As estratégias para a implantação da política da paisagem urbana são as seguintes:


  • I - a elaboração de normas e programas específicos para os distintos setores da Cidade, considerando a diversidade da paisagem nas várias regiões que a compõem;
  • II - o disciplinamento dos elementos presentes nas áreas públicas, considerando as normas de ocupação das áreas privadas e a volumetria das edificações que, no conjunto, são formadoras da paisagem urbana;
  • III - a criação de novos padrões, mais restritivos, de comunicação institucional, informativa ou indicativa;
  • IV - a adoção de parâmetros de dimensões, posicionamento, quantidade e interferência mais adequados à sinalização de trânsito, aos elementos construídos e à vegetação, considerando a capacidade de suporte da região;
  • V - o estabelecimento de normas e diretrizes para a implantação dos elementos componentes da paisagem urbana e a correspondente veiculação de publicidade;
  • VI - a criação de mecanismos eficazes de fiscalização sobre as diversas intervenções na paisagem urbana.

Art. 6º. Para os efeitos de aplicação desta lei, ficam estabelecidas as seguintes definições:

I - anúncio: qualquer veículo de comunicação visual presente na paisagem visível do logradouro público, composto de área de exposição e estrutura, podendo ser:


  • a) anúncio indicativo: aquele que visa apenas identificar, no próprio local da atividade, os estabelecimentos e/ou profissionais que dele fazem uso;
  • b) anúncio publicitário: aquele destinado à veiculação de publicidade, instalado fora do local onde se exerce a atividade;
  • c) anúncio especial: aquele que possui características específicas, com finalidade cultural, eleitoral, educativa ou imobiliária, nos termos do disposto no art. 19 desta lei;
  • II - área de exposição do anúncio: a área que compõe cada face da mensagem do anúncio, devendo, caso haja dificuldade de determinação da superfície de exposição, ser considerada a área do menor quadrilátero regular que contenha o anúncio;
  • III - área livre de imóvel edificado: a área descoberta existente entre a edificação e qualquer divisa do imóvel que a contém;
  • IV - área total do anúncio: a soma das áreas de todas as superfícies de exposição do anúncio, expressa em metros quadrados;
  • V - bem de uso comum: aquele destinado à utilização do povo, tais como as áreas verdes e institucionais, as vias e logradouros públicos, e outros;
  • VI - bem de valor cultural: aquele de interesse paisagístico, cultural, turístico, arquitetônico, ambiental ou de consagração popular, público ou privado, composto pelas áreas, edificações, monumentos, parques e bens tombados pela União, Estado e Município, e suas áreas envoltórias;
  • VII - espaço de utilização pública: a parcela do espaço urbano passível de uso e fruição pela população;
  • VIII - mobiliário urbano é o conjunto de elementos que podem ocupar o espaço público, implantados, direta ou indiretamente, pela Administração Municipal, com as seguintes funções urbanísticas:
  • a) circulação e transportes;
  • b) ornamentação da paisagem e ambientação urbana;
  • c) descanso e lazer;
  • d) serviços de utilidade pública;
  • e) comunicação e publicidade;
  • f) atividade comercial;
  • g) acessórios à infra-estrutura;
  • IX - fachada: qualquer das faces externas de uma edificação principal ou complementar, tais como torres, caixas d'água, chaminés ou similares;
  • X - imóvel: o lote, público ou privado, edificado ou não, assim definido:
  • a) imóvel edificado: aquele ocupado total ou parcialmente com edificação permanente;
  • b) imóvel não-edificado: aquele não ocupado ou ocupado com edificação transitória, em que não se exerçam atividades nos termos da legislação de uso e ocupação do solo;
  • XI - lote: a parcela de terreno resultante de loteamento, desmembramento ou desdobro, contida em uma quadra com, pelo menos, uma divisa lindeira a via de circulação oficial;
  • XII - testada ou alinhamento: a linha divisória entre o imóvel de propriedade particular ou pública e o logradouro ou via pública.

Art. 7º. Para os fins desta lei, não são considerados anúncios:

I - os nomes, símbolos, entalhes, relevos ou logotipos, incorporados à fachada por meio de aberturas ou gravados nas paredes, sem aplicação ou afixação, integrantes de projeto aprovado das edificações;

II - os logotipos ou logomarcas de postos de abastecimento e serviços, quando veiculados nos equipamentos próprios do mobiliário obrigatório, como bombas, densímetros e similares;

III - as denominações de prédios e condomínios;

IV - os que contenham referências que indiquem lotação, capacidade e os que recomendem cautela ou indiquem perigo, desde que sem qualquer legenda, dístico ou desenho de valor publicitário;

V - os que contenham mensagens obrigatórias por legislação federal, estadual ou municipal;

VI - os que contenham mensagens indicativas de cooperação com o Poder Público Municipal, Estadual ou Federal;

VII - os que contenham mensagens indicativas de órgãos da Administração Direta;

VIII - os que contenham indicação de monitoramento de empresas de segurança com área máxima de 0,04m² (quatro decímetros quadrados);

IX - aqueles instalados em áreas de proteção ambiental que contenham mensagens institucionais com patrocínio;

X - os que contenham as bandeiras dos cartões de crédito aceitos nos estabelecimentos comerciais, desde que não ultrapassem a área total de 0,09m² (nove decímetros quadrados);

XI - os "banners" ou pôsteres indicativos dos eventos culturais que serão exibidos na própria edificação, para museu ou teatro, desde que não ultrapassem 10% (dez por cento) da área total de todas as fachadas;

XII - a denominação de hotéis ou a sua logomarca, quando inseridas ao longo da fachada das edificações onde é exercida a atividade, devendo o projeto ser aprovado pela Comissão de Proteção à Paisagem Urbana - CPPU;

XIII - a identificação das empresas nos veículos automotores utilizados para a realização de seus serviços.


CAPÍTULO II
DAS NORMAS GERAIS

Art. 8º. Todo anúncio deverá observar, dentre outras, as seguintes normas:

I - oferecer condições de segurança ao público;

II - ser mantido em bom estado de conservação, no que tange a estabilidade, resistência dos materiais e aspecto visual;

III - receber tratamento final adequado em todas as suas superfícies, inclusive na sua estrutura;

IV - atender as normas técnicas pertinentes à segurança e estabilidade de seus elementos;

V - atender as normas técnicas emitidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT, pertinentes às distâncias das redes de distribuição de energia elétrica, ou a parecer técnico emitido pelo órgão público estadual ou empresa responsável pela distribuição de energia elétrica;

VI - respeitar a vegetação arbórea significativa definida por normas específicas constantes do Plano Diretor Estratégico;

VII - não prejudicar a visibilidade de sinalização de trânsito ou outro sinal de comunicação institucional, destinado à orientação do público, bem como a numeração imobiliária e a denominação dos logradouros;

VIII - não provocar reflexo, brilho ou intensidade de luz que possa ocasionar ofuscamento, prejudicar a visão dos motoristas, interferir na operação ou sinalização de trânsito ou, ainda, causar insegurança ao trânsito de veículos e pedestres, quando com dispositivo elétrico ou com película de alta reflexividade;

IX - não prejudicar a visualização de bens de valor cultural.

Art. 9º. É proibida a instalação de anúncios em:

I - leitos dos rios e cursos d'água, reservatórios, lagos e represas, conforme legislação específica;

II - vias, parques, praças e outros logradouros públicos, salvo os anúncios de cooperação entre o Poder Público e a iniciativa privada, a serem definidos por legislação específica, bem como as placas e unidades identificadoras definidas no § 6º do art. 22 desta lei;

III - imóveis situados nas zonas de uso estritamente residenciais, salvo os anúncios indicativos nos imóveis regulares e que já possuíam a devida licença de funcionamento anteriormente à Lei nº 13.430, de 13 de setembro de 2002;

* Nunca mandaremos Spam